MINI BIO

A Feirinha da Ida começou no Estádio do Pacaembú embaixo do Museu do Futebol, fez edições no Mirante 9 de julho, num espaço na Rua Girassol, na loja colaborativa Little House, no Centro Cultural da Diversidade no Itaim, no Memorial da América Latina junto com outras feiras, no Museu da Língua Portuguesa e ao lado do Parque da Água Branca, na Rua Teodoro Sampaio, na Vila Buarque e onde mais rolar um convite 

 

A Feira, que se chamava Bazar Flor Café por um tempo, começou em maio de 2017. 

DICAS PARA ARRRASAR

Vamos fazer e acontecer. É muito muito muito importante que você que está indo pela primeira vez ou já foi em algumas edições, tenha ciência que é de responsabilidade geral que cada expositor traga pelo menos 3 amigos/as ou mais, que você se mova para divulgar e não apenas use os métodos virtuais. Postar nem sempre tem um valor efetivo. Eu, Ida, a cada edição, mando separadamente de 5 em 5 amigues no whats app (porque o zap não está entregando para todes se mandar em grande quantidade) e respondo pessoa por pessoa, faço também disparos de email no email marketing MAIL CHIMP, convido por inbox no facebook, chamo pelo direct do instagram, aviso cada amigo e amiga que encontro, falo sobre isso, e etc. Sou uma grande divulgadora do meu próprio trabalho. Isso ajuda muito ;))

 

Talvez esse seu amigo até já é seu consumidor, mas ele vai lá te visitar e acaba comprando de outra pessoa. Se cada um de nós levar algumas pessoas, elas podem vir a comprar de todes  que lá estiverem.

 

 

Outra coisa legal é pensar que não adianta ficar no celular e achar que não vende nada. Cada expositor pode vender para outro expositor se vocês baterem um papo, cumprimentar todo mundo que chega ou passa perto, e você pode instigar seu amigo de feirinha a comprar seus produtos caso você converse com ele. A comunicação para as vendas é primordial para uma Feirinha, para dar certo, variando de evento para evento.

IMG_2268_edited.jpg